O segmento de distribuição de gás do Nordeste se reuniu nesta quinta-feira, 19, em Natal, no Rio Grande do Norte. O encontro contou com dirigentes de sete concessionárias de gás. Estavam presentes o estado do Ceará (Cegás), Rio Grande do Norte (Potigás), Paraíba (Pbgás), Pernambuco (Copergás), Alagoas (Algás), Sergipe (Sergás) e Bahia (Bahiagás) que discutiram temas como o Novo Mercado de Gás no Brasil, desafios regulatórios e a política setorial de gás natural para o Nordeste. Também integrou a pauta o andamento da Chamada Pública para compra do suprimento que irá possibilitar a competitividade do combustível. 

O encontro aconteceu no salão de eventos do Hotel Barreira Roxa e contou com a participação da governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, que na abertura destacou a relevância das companhias estaduais de gás para o desenvolvimento da região Nordeste. “Estamos diante da abertura do novo mercado de gás, por isso a importância de fazermos essa discussão, não só do ponto de vista do Rio Grande do Norte, mas do ponto de vista regional”, disse. 

A governadora disse ainda que “o Rio Grande do Norte tem grande produção na área de gás e o que nós esperamos e estamos lutando é que o novo mercado traga redução de preços para o consumidor, e que promova o desenvolvimento do nosso Estado e da região Nordeste com a geração de novos empregos”, afirmou. Fátima Bezerra também colocou para os dirigentes das companhias de gás, dirigentes da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (ABEGÁS) que “é preciso conhecer e assegurar os compromissos das empresas que entrarão para o mercado de gás com o nosso povo”. 

Na fala da presidente da Potigás, Larissa Gentile, ela destaca que o encontro serviu para avaliar a mudança de cenário do gás que vem sofrendo. Ela afirmou ainda que este tipo de debate se faz necessário para que os envolvidos estejam juntos tirando dúvidas, mantendo e ampliando o funcionamento do serviço. “Os governadores estão fazendo isso com o Consórcio Nordeste, buscando soluções comuns para problemas e desafios comuns, e nós queremos fazer o mesmo com as concessionárias de gás”, comparou Larissa. 

O  diretor da ANP, Cesário Cecchi, essa reunião em Natal será repetida em outras oportunidades defendendo  “ajustes entre as regulações federal e estaduais, em função dos elos da cadeia que a indústria de gás compõe. E se um elo falha, tanto a montante quanto a jusante, o processo não se conclui. Então, é necessário harmonia entre a regulação federal e a regulação dos estados”. 

Já o senador Jean Paul Prates informou que não soube acerca da definição de compromisso em manter a malha de dutos de gás no Nordeste, assim como da venda por parte da Petrobras. 

“Também não tive conhecimento sobre o compromisso para expansão. Não ouvi nada sobre isso. Portanto, é muito importante que o Nordeste esteja unido. Nossas personalidades são específicas, mas nossas distribuidoras têm uma história em comum, sócios, configurações e um modelo tripartite, formado pelo governo, Petrobras e empresa privada. E essa história em comum deve promover um futuro em comum diante dos desafios de negociações e novas descobertas”.

O diretor presidente da Sergipe Gás, Valmor Barbosa, fez uma explanação do quadro vivenciado pela companhia em Sergipe. Ele também questionou e solicitou ao diretor da ANP presente no evento, sobre a flexibilização de algumas situações que podem ajudar a empresa na sua caminhada. Cesário Cecchi achou razoável as demandas apresentadas por Valmor Barbosa e solicitou que formalizasse através de ofício para fins de avaliação. 

Fonte com participação: ASSECOM